sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE DROGAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA ESPERANÇA
SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA, TURISMO, ESPORTE E LAZER.
PROJETO DE INTERVENÇÃO AO USO DE DROGAS


1. IDENTIFICAÇÃO:

Escola Municipal de Ensino Fundamental “Quilômetro vinte”
Diretora: Maria Celeste Gomes Pereira
Supervisora: Alini da Silva Costa Belicchi
Secretária: Karine Baiôco Braga
Professora de Ciências Biológica: Gisleangela do Carmo Neris
ORGANIZAÇÃO E COORDENAÇÃO:
Diretor, supervisor e o professor de Ciências Biológicas.

POPULAÇÃO A SER TRABALHADA:
A comunidade escolar em geral
2- INTRODUÇÃO:
O uso de drogas é um fenômeno sociocultural complexo, o que significa dizer que sua presença em nossa sociedade não é simples. Não só existem variados tipos de drogas, mas também são diferentes os efeitos por elas produzidos e a adolescência - período marcado por mudanças e curiosidades sobre um mundo que existe além da família - representa um momento especial no qual a droga exerce forte atrativo. Faz-se necessário, portanto, uma educação preventiva e a conscientização de todos: alunos, pais professores, enfim, toda a comunidade escolar, sobre os efeitos e conseqüências maléficas causadas por essas substâncias à vida humana em todos os seus aspectos físicos, psíquicos e sociais. O desafio deste projeto é a luta pela valorização da vida como um bem social a serviço da construção de uma sociedade mais digna e fraterna.
3- JUSTIFICATIVA:
O projeto surgiu da necessidade de se falar abertamente sobre drogas e de trocar e adquirir informações sobre o assunto. Pois o alto índice de jovens envolvidos com drogas em nossa cidade nos últimos anos é assustador, muitas famílias perderam seus filhos. Por isso é importante informar o aluno sobre os malefícios do vício. É muito comum o jovem ter contato com algum tipo de droga. "Mas há uma grande diferença entre o ato de experimentar e a necessidade de continuar", dizem os especialistas em adolescentes. Eles atribuem a curiosidade dos jovens às próprias características dessa fase da vida. "A adolescência é um momento em que a pessoa enfrenta limitações e frustrações. A droga funciona como uma fuga de tudo isso." Falar sobre drogas, porém, não basta. Segundo eles, dependendo da forma como o assunto é tratado, pode até estimular a curiosidade pelo uso. "É preciso mostrar que a droga é prejudicial à saúde e ao cérebro."
4 – OBJETIVO GERAL:
• Prevenir e conscientizar a Comunidade Escolar dos malefícios que o uso abusivo das drogas pode causar ao ser humano.
4.1- OBJETIVOS ESPECÍFICOS:
• Sensibilizar os professores para a abordagem da questão.
• Facilitar às famílias a conversação com as crianças e com os jovens.
• Desenvolver a espontaneidade e a auto-estima dos alunos para facilitar a comunicação com os pais, não só de modo geral, mas em especial sobre a questão das drogas.
• Mobilização da opinião pública escolar, mediante campanhas de alerta.
• Tratar a difusão dos conhecimentos sobre drogas.
5- INTERVENÇÃO JUNTO AOS PROFESSORES E DEMAIS INTEGRANTES DA COMUNIDADE ESCOLAR:
• Sensibilizar o grupo sobre a questão das drogas em sua vida, na sala de aula, na escola e arredores.
• Ajudar o grupo a repensar sua atitude diante da questão das drogas.
• Conscientizá-los de que o fumo e a bebida alcoólica constituem drogas perigosas e o professor é sempre um exemplo para os alunos.
• Facilitar a percepção do grupo acerca de mitos e preconceitos na questão das drogas.
• Sensibilizá-los para a participação direta nas atividades de prevenção ao uso indevido de drogas.
6- PARTICIPAÇÃO:
• Todos os professores e alunos da EMEF “Quilômetro Vinte” de: Pré-escola a 8ª série e pessoas da comunidade interessadas em atuar.
7- ÁREAS ENVOLVIDAS:
• Língua Portuguesa, Língua Inglesa, Ciências Biológicas, Geografia, História, Química, Educação Artística e Educação Física.
8- ESTRATÉGIAS:
• As classes envolvidas trabalharão individualmente e em grupos para pesquisas, debates, execução de cartazes e murais.
• Utilização de filmes, vídeos e outros recursos tecnológicos como a Internet para promover através de pesquisa, a orientação, a prevenção e a conscientização contra o uso abusivo de drogas.
• Os alunos usarão a Internet para comentar e conversar sobre suas descobertas com especialistas no assunto.
9- DESENVOLVIMENTO:
1ª ETAPA: Pesquisas de campo.
PERÍODO: 1º TRIMESTRE/ 2012
ATIVIDADES:
1. Entrevistas:
Delegacia (Sargento da Polícia Militar)
Membros do Conselho Tutelar de Boa Esperança.
Coordenação do Hospital Cristo Rei de Boa Esperança.

2. Questionários
3. Observações
4. Conversas informais
5. Leitura de documentos já existentes
6. Debates em sala de aula.
7. Pesquisas
9.1- OBJETIVOS:
• Diagnosticar o índice de pessoas - jovens e adultos - envolvidas com drogas.
• Conhecer a situação real, as dificuldades e os recursos disponíveis.
PARTICIPANTES: Alunos e professores.
2ª ETAPA: Contato com pessoas diretamente ligadas à área a ser trabalhada:
médicos, psiquiatras, psicólogos, ex-viciados em drogas e convidá-los para possíveis discussões e palestras.

PARTICIPANTES: Alunos, professores e familiares dos alunos.
9.2- ATIVIDADES:
1. Pesquisas
2. Relatórios
3. Confecção de murais com base nas pesquisas feitas, contendo informações sobre os diversos tipos de drogas, seus efeitos e conseqüências nocivas à vida.
4. Palestras com questionamentos com profissionais e ex-viciados.
5. Criação e apresentação de peças teatrais.
6. Cinema - Filmes que abordem o narcotráfico - O tráfico de drogas
7. Vídeos
8. Entrevistas com ex-viciados.
9. Depoimentos de ex-viciados.


10- MATERIAIS NECESSÁRIOS:
• Filmes para máquinas fotográficas.
• Microfone.
• Videocassete.
• Tinta para impressora.
• Papel, cartolina, tesoura, fita crepe, cola, hidrocor.
• Gravador
• Disquetes
• Retroprojetor
11- RECURSOS HUMANOS:
• Psicólogos
• Médicos
• Membros da PM e do Conselho Tutelar.
• Psiquiatras.
• Ex-viciados
• Familiares dos alunos
• Professores
12- APOIO E ORIENTAÇÃO:
• Secretaria Municipal de Educação, Esporte e Lazer do Município de Boa Esperança.
13- CRONOGRAMA:
• Fevereiro: Início do Projeto
Primeira apresentação de atividades: no Dia Nacional da Família na Escola.
As ações serão contínuas durante o trimestre e deverão ser repetidas a cada ano.
14- TRABALHOS EM GRUPO:
• Após cada atividade, acontecerão trabalhos em grupos com discussões e elaboração de relatório sobre o tema específico.

15- CULMINÂNCIA:
• Final do Trimestre, com apresentações teatrais, musicais e exposições de cartazes e murais (fundamentados nas pesquisas feitas)Diversos trabalhos. na quadra da Escola com toda a Comunidade Escolar e convidados que participaram do Projeto.
16- AVALIAÇÃO:
• A avaliação deverá acontecer durante todo o processo de realização do projeto, através da observação dos professores baseada em critérios pré-estabelecidos.
• Durante o desenvolvimento dos trabalhos é importante que o professor esteja presente para interagir com o processo de trabalho dos alunos, diagnosticando diferenças e conquistas, proporcionando uma análise das etapas do projeto.
• Os professores deverão encorajar os participantes do projeto a dizerem "NÃO" a qualquer espécie de droga.
• Na conclusão final o professor deverá propor uma avaliação geral de todo o processo.
17- RESULTADOS ESPERADOS:
• Com este projeto, esperamos que as pessoas se tornem mais conscientes sobre os malefícios causados pelo abuso de drogas à vida humana e que devem sim, buscar sempre formas de melhorar a sua qualidade de vida, agindo com responsabilidade, preservando a nossa maior fonte de felicidade e realização: a saúde.
18- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
REFERÊNCIAS:

ANDRADE, A. G. et alii (editores). Drogas: atualização em prevenção e tratamento. São Paulo: Edições Loyola, s.d.
BUCHER, R. (org.) Prevenção ao uso indevido de drogas (v. 1 e 2). Brasília: UNB, 1989
GRECO FILHO, V. Tóxicos: prevenção-repressão. São Paulo: Saraiva, 1993.

Elaboração: Maria Celeste Gomes Pereira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário